CENA | A UNIÃO DE SELVAGENS À PROCURA DE LEI E SCALENE

BANDA SELVAGENS À PROCURA DA LEI

A banda cearense Selvagens à Procura de Lei é, desde a sua estréia, um dos melhores talentos dentro do cenário de rock nacional com composições em português. Desde o lançamento do seu primeiro EP em 2010, o grupo já explorou e experimentou muitas e diferentes estruturas e harmonias musicais sem desviar-se de sua origem sonora, apresentando trabalhos marcados pela excelência de composições. Gosto muito do grupo e acredito que são responsáveis por uma das melhores composições de rock da década passada (2010-2019), a incrível canção “Brasileiro”, uma lírica crítica aos ditos brasileiros privilegiados, criaturas orgulhosas presentes em diferentes classes sociais, porém sempre equalizados sob uma mesma repressão invisível, parte da estupidez estrutural que habitam, afinal todos nós estamos em algum momento sob o domínio de uma mesma rédea, você não concorda?

Em algum momento no início de 2020 o vocalista da banda brasiliense Scalene, Gustavo Bertoni, assistiu a performance dos Selvagens sob a comum hipnose promovida pelo grupo em todos os seus shows – você que desconhece esse show precisa se presentear com essa experiência única, precisa valorizar o talento nacional, ao invés de torcer para a queda da valorização do dólar para cultuar grupos estrangeiros que, quando se importam em apresentar-se aqui, optam por uma versão mais dimunuta do seu espetáculo e potencial, quando não mergulham no puro playback vergonhoso. Ou talvez você deseja ser apenas um wannabe de estrangeirismos, triste.

BANDA SCALENE

Enfim, escutar “Brasileiro” ao escrever essa crítica resulta em ensaios críticos curiosos, mas não relacionados ao foco, pois aqui a questão é, maravilhado com a performance do grupo Selvagens, o vocalista da banda Scalene os convidou para uma composição conjunta, e depois de meses de produção finalmente temos o resultado dessa orgia entre bandas de rock, o famigerado “feat” ou filho ocasional celebrado, a incrível canção “O Rio”.

 

A composição é uma auroral boreal sonora, sob autoria de Bertoni, a melodia abraça os vocais de Rafael Martins do grupo Selvagens e resulta em uma poesia otimista para um ano tão obscuro quanto 2020. É sem dúvida uma das melhores canções do ano (aguardem a lista MESSCLA), e nos motiva imaginar uma terceira banda formada por selvagens justiceiros e triangulos escalenos, ou no mínimo uma turnê conjunta entre os grupos, o que resultaria em um espetáculo imperdíveis para os sentidos.

AVALIAÇÃO:

Ainda sobre percepções, seria o rock um estilo indigesto ao momento que vivemos e por isso bandas como os Selvagens e o Scalene terem tão pouca repercussão e presença na mídia sudeste, ou somos nós – eu como paulista – que ignoramos o talento externo do meu estado em uma xenofobia musical velada?

<20|20>

Você também é parte do MESSCLA! Gostou da coluna? Ajude a nossa multiplicação! Curta nossa página e compartilhe nossos posts!

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s