CINEMA | OS VINGADORES – NÃO DESANIMA E NÃO SURPREENDE

Quando anunciado, a produção do filme Os Vingadores – que muito provavelmente deve se tornar uma trilogia, no que depender de sua arrecadação monetária – catapultou o ânimo dos fãs além dos limites da atmosfera terrestre. Afinal, desde o sucesso do filme Homem de Ferro, a reunião dos seis heróis da editora Marvel em uma única trama era aguardada com ansiedade e desconfiança, considerando o histórico das adaptações cinematográficas (que não é positiva).

A reunião de Hulk, Homem de Ferro, Thor, Capitão América, Gavião Arqueiro e Viúva Negra, sob a orquestração estratégica de Nick Fury, ocorre devido ao mais previsível dos clichês dos filmes de heróis do cinema: A Terra mais uma vez corre perigo por conta de uma invasão alienígena e o cenário da batalha decisiva é Nova Iorque.

Por mais que a previsibilidade conte como ponto contra, quem se importa com o motivo ou o cenário da reunião dos heróis? O espectador quer apenas ver a ação acontecendo sem limites, explorando a personalidade de cada personagem, os poderes especiais e as inimagináveis invenções tecnológicas utilizadas na luta pela existência e continuidade da humanidade. Tudo devidamente atendido sob a direção de Joss Whedon, salvo pequenas ressalvas.

Reunir um time tão numeroso de heróis exige uma introdução quanto ao seu paradeiro e a sua adaptação ao grupo em formação. Joss Whedon dosa a exposição dos personagens com um destaque gradual, apresentando ao público um novo e reformulado Hulk (finalmente bem interpretado por Mark Ruffalo), cuja atividade humanitária lhe auxilia no controle da raiva, um egocêntrico e ganancioso Tony Stark (Robert Downey Jr), cujo arranha céu auto-sustentável faz parte do plano de dominação da Terra, um enclausurado Capitão América, cujo relacionamento social limita-se a instalações que remetem ao seu passado,  e o semideus Thor (Chris Hemsworth), que se faz mais uma vez presente na Terra, distante de sua gloriosa Asgard, por conta de seu asqueroso irmão adotivo Loki (bem interpretado por Tom Hiddleston), o comandante responsável pela invasão alienígena.

Em paralelo é possível acompanhar a liderança firme de Nick Fury (Samuel L. Jackson) frente à organização S.H.I.E.L.D. junto aos agentes Gavião Arqueiro (Jeremy Renner) e Viúva Negra (a hipnótica Scarlett Johansson), em uma tentativa de equilíbrio e cooperação entre todos envolvidos.

Muito da trama é dedicado à reunião dos heróis e ao seu funcionamento como grupo, reservando uma participação tardia a Loki como vilão principal. Quando inicia-se a decisiva batalha em Nova Iorque, o exército alienígena não consegue se projetar à altura dos heróis, assim como o comando de Loki não convence em nenhum momento como oponente digno e páreo frente aos defensores da humanidade. Esse não convencimento de oponentes páreos faz com que a celebrada reunião de heróis seja quase desnecessária. A grande ameaça enfrentada pelo grupo de heróis resume-se a um míssil nuclear disparado por ordem do governo norte americano. Uma tensão causada por fogo amigo.

Fora a ameaça minimizada, ainda é possível acompanhar grandes momentos de humor sarcástico por parte de Tony Stark, um habilidoso Capitão América e seu indestrutível escudo americano e o ressurgimento surpreendente de um novo Hulk – responsável pelos momentos mais engraçados da trama. As curvas de Scarlett Johansson apenas não superam suas incríveis lutas coreografadas, e para registro, os melhores momentos de ação acontecem entre os conflitos dos próprios heróis, em duelos empolgantes entre Thor e Homem de Ferro, além da impressionante luta entre o Gavião Arqueiro e a Viúva Negra.

Aos fãs mais devotados, o filme serviu apenas como uma introdução ao que realmente deve representar um real desafio, o tirano Thanos. Resta agora aguardar sua continuação já prometida, saciando-se com doses individuais com as aventuras solo de Homem de Ferro e Capitão América, cujos novos filmes já se encontram em produção.

Os Vingadores não desanima e não surpreende. Peca pela falta de vilões à altura dos heróis, mas serve como base de lançamentos de projetos e desafios maiores. Um filme para assistir e esquecer.

<20|12>

Você também é parte do MESSCLA! Gostou da coluna? Ajude a nossa multiplicação! Curta nossa página e compartilhe nossos posts!

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s